Educação

Nas escolas, 900 mil brasileiros com mais de 40 anos buscam alfabetização e enfrentam preconceito

O preconceito enfrentado por alunos com mais de 40 anos no ensino superior ficou evidente após o caso da universitária hostilizada por colegas em Bauru (SP) na última semana. Mas os obstáculos não param por aí.

Há 900 mil adultos e idosos, a partir dessa mesma idade, que estão matriculados em escolas no Brasil, sendo alfabetizados e aprendendo conceitos básicos de matemática e ciências.

Eles não chegaram à faculdade (ainda), mas já encontram severas barreiras para retomar os estudos: encaram a falta de autonomia por não saberem ler e escrever, são alvo de intolerância por tentarem estudar “tardiamente” e desdobram-se para conciliar o emprego com as aulas noturnas.

Olhe só estes números:

  • 35 milhões de brasileiros acima de 40 anos são analfabetos (segundo os dados mais recentes, de 2019, da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Pnad),
  • cerca de 900 mil estão na escola (Censo Escolar de 2022);
  • e outros 600 mil são alunos no ensino superior (Censo de Educação Superior de 2021).

Nesta reportagem, o g1 foca no segundo grupo: o dos estudantes que estão na Educação Para Jovens e Adultos (EJA), modalidade de aulas voltadas a quem não concluiu os estudos na idade regular (não confunda com Encceja, que é a prova feita por quem quer o diploma do ensino fundamental ou do ensino médio).

O que aconteceu com as crianças e jovens, nas últimas décadas, para abandonarem o colégio ou nem chegarem a ser matriculados? O que motiva alguém com mais de 40 anos a enfrentar as dificuldades e entrar na EJA? E que desafios são esses?

Flávia da Silva, especialista em língua portuguesa e professora da rede pública de Goiás (inclusive da EJA), resume os motivos principais de abandono da escola:

  • histórias de extrema pobreza;
  • violência doméstica;
  • gravidez e casamento;
  • baixa autoestima gerada por problemas de aprendizagem não trabalhados ou identificados;
  • bullying na escola;
  • necessidade de trabalhar em período integral;
  • maridos que proibiam as esposas de irem ao colégio;
  • reprovações.

E há histórias em que os fatores se misturam.

Nascido em Pedrinhas (SE), o porteiro José Carlos Conceição, de 61 anos, não conhece as próprias origens – foi abandonado quando era criança e não se lembra de sua infância. Viveu na rua até os 16 anos, quando, ainda analfabeto, foi acolhido por um casal em Salvador.

“pedagogia do afeto”, do educador Paulo Freire (1921-1997), costuma orientar os docentes nesse desafio: a relação professor-aluno é um diálogo aberto, com empatia e constantes trocas de conhecimento.

Para uma aprendizagem efetiva, um professor que recebe os alunos nas salas de aula não deve se atentar somente a cumprir currículos, e sim a praticar a afetividade e a “abrir a porta” para a conversa.

Fonte: G1

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
× Envie sua Notícia